cultura
leitura

Vozes da diversidade: poesias que quebram barreiras

Editora Baderna Literária transforma batalha de Slam em antologia poética; produção é composta apenas por mulheres, travestis, homens trans e não binaries de países latino-americanos

a897182cde1b1f9ab9f0d8dbb03c21d0_medium.jpg

Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, México, República Dominicana e Venezuela. É por meio do Slam, torneio de poesia falada, que as vozes de mulheres, travestis, homens trans e não binaries da América Latina ecoam no livro A língua quando poema | La lengua cuando poema, publicado pela Editora Baderna Literária em edição bilíngue: português e espanhol.

Organizada por Carolina Peixoto e Pam Araujo, poetas, produtoras culturais e idealizadoras da Slam das Minas SP – uma das principais coletivas de poesia com recorte de gênero do Brasil – a obra reúne poesias inéditas escritas por 28 slammers de países latino-americanos e brasileires de diversas regiões. Entre as 210 páginas, o livro conta com diversidade lírica e pluralidade poética ao abordar sobre a vida à margem da sociedade, feminismo, violência contra a mulher, pobreza, identidade de gênero e desigualdade.

Mais que uma antologia poética, A língua quando poema é um registro histórico do processo de mudança pelo qual vem passando o movimento de Slam na última década, considerando o gênero dos participantes. A pesquisa, realizada pela Pam Araujo, revela que as batalhas classificatórias para a Copa do Mundo de Slam, que no início eram compostas apenas por homens cis, atualmente tem maioria de mulheres, que representaram 62% dos participantes no Slam BR 2021. 

Fruto do talento de todes poetas que passaram pela 1ª Jornada Latines Slam das Minas SP 2021, imersão sob a ótica do Slam brasileiro, a obra não separa os poemas por grupo de línguas. Segundo os autores, isso foi pensado justamente porque o Slam é poesia viva e, mesmo presa ao papel, precisa carregar a voz de quem a escreveu. Assim, todos os textos são apresentados primeiro na língua materna dos escritores, seguidos pela sua respectiva tradução para quando a limitação do idioma se faz barreira.

Carolina Peixoto e Pam Araujo

Ficha técnica
Livro: A língua quando poema 
Organizadoras: Anna Carolina de Freitas Peixoto e Pamella Soares Araújo 
Editora: Baderna  
ISBN/ASIN: 978-65-996525-1-6 
Páginas: 210 
Preço: R$ 69,90
Data de Lançamento: 01/06/2022 
Onde comprar: Baderna Literária 

Sobre as organizadoras: A paulista Carolina Peixoto é formada em pedagogia e há 10 anos dedica o seu talento a literatura, poesia e a produção cultural. Além de artista, ela é organizadora da coletiva Slam das Minas SP, primeiro Slam com recorte de gênero da cidade de SP, e idealizadora do coletivo Poetas Ambulantes, que declama e distribui poesia nos transportes públicos de São Paulo. O trabalho da Carolina não parou no Brasil, no ano passado ela foi responsável pela I Jornada Latines Slam das Minas, que reuniu artistas de 9 países da América Latina. É autora de dois livros infantis e um livreto de poemas. 

Pam Araujo é escritora, educadora e produtora cultura, com livros e dois fanzines publicados. É idealizadora da Slam das Minas SP, projeto que trouxe visibilidade, ambiente de fala, de acolhimento e principalmente de escuta, trazendo novas perspectivas às pessoas que não eram ouvidas. Engajada no mundo literário, ela foi coidealizadora de concursos literários no Brasil e também foi responsável pela criação de projetos de incentivo à cultura para mulheres, crianças e pessoas em situação de rua. É a autora das ilustrações das poetas, no miolo do livro.

Gabriela Bubniak / LC Agência de Comunicação

PublicidadeRodapéSP.jpg